agosto 08, 2010

Braga revisitada

A manhã não está tão fresca como desejaria, mas ainda bem que corre uma ligeira brisa, mesmo assim antevendo-se outro dia de calor. O céu está levemente acinzentado pelos fogos que varrem esta zona do País, e há mesmo partículas de cinza no ar.
Decido-me por um passeio matinal pelo centro da urbe, um café numa esplanada, transeuntes que já não reconheço.
Começo pela Fonte do Ídolo, santuário rupestre da era pré-romana, dedicado à deusa indígena Nabia, intimamente ligada ao culto da água e da fertilidade.
Foi monumentalizada no início da fundação da cidade, por volta do século I D.C., por um emigrante de nome Celico Fronto, que mandou executar as esculturas e as inscrições visíveis na frente do santuário. Mais tarde, os seus descendentes renovaram o monumento acrescentando um lago frente à fonte.
As imagens e o texto não são bem visíveis nas fotografias. Este espaço oferece mais informação através da visualização de um vídeo em várias línguas, disponível no local. Faz parte do Itinerário Arqueológico Urbano da Cidade de Braga.
Um espaço a visitar.


De regresso a casa mais alguns registos.


Janela Manuelina da Casa dos Coimbras.

O contraste do tempo...


E ainda o contraste do tempo...
Regresso a casa. Uma tarde a prometer uma daquelas sestazitas, que não é só 
no Alentejo que as há!

4 comentários:

ParadoXos disse...

belas palavras "casadas" com belas imagens :-)



abraços

Vieira Calado disse...

A verdade é que nunca tinha ouvido falar desse recanto.

Pela amostra
parece bem bonito!

Saudações poéticas

Manuel Cardoso disse...

Isto não é uma cidade; é uma paixão!
Como diz um amigo, só entende quem sente.
BRAGA SEMPRE!

tsiwari disse...

"Vendes" bem o produto!

:)*